Caracterização da visão de mundo dos universitários: estudo comparativo entre uma universidade brasileira e portuguesa/Characterization of the world vision of university students: a comparative study between a brazilian and portuguese university

Rubia Salheb Fonseca, Amâncio Carvalho, Joaquim Escola, Armando Loureiro

Resumo


A UNESCO (2011), afirma que a educação deve ter como centro os alunos e considerá-los como protagonistas da sua aprendizagem e não como recetores do ensino. Torna-se cada vez mais claro, nesse e em inúmeros estudos lidando com questões relacionadas aos processos de aprendizado dos alunos, a importância de conhecer melhor suas visões de mundo e trajetórias. Com o objetivo de identificar aspetos da visão de mundo dos estudantes. Utilizou-se abordagem quantitativa e qualitativa, estudo comparativo, descritivo-correlacional e Transversal, com recurso a inquérito por questionário, Escala (Pagan, 2009). Amostra de 1.240 alunos de duas universidades, 533 da Universidade Portuguesa e 707 da Universidade Brasileira. Análise estatística com SPSS (22.0) e análise de conteúdo com recurso a nuvem de palavras.


Palavras-chave


Cosmovisão, Perfil, Universitários, Educação.

Texto Completo:

PDF

Referências


Adorno, T. (1995). Educação e Emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Almeida, L. & Araújo, A. (2015). Transição e Adaptação dos alunos do 1º ano: Variáveis

Intervenientes e medidas de atuação. Braga: Universidade do Minho.

Arat, M. (2014). Acquiring soft skills at university. Journal of Educational and Instructional Studies

in the World, 4, 46-51.

Beyer, P. (1999). Secularization from the perspective of globalization: a response to

Dobbelaere. Sociology of Religion, 60 (3), 289-301.

Coelho Júnior, A. & Mahfoud, M. (2001). As dimensões espiritual e religiosa da experiência

humana: distinções e interrelações na obra de Viktor Frankl (vol. 12, n.2). São Paulo: USP.

Coreth, E. (1988). O Que é o Homem? Lisboa: Verbo.

Crema, R. (1989). Introdução à visão holística (2 ed.). São Paulo: Summus.

Dorvillé, L.(2010). Religião, Escola e Ciência: Conflitos e tensões nas visões de mundo de

alunos de uma licenciatura em ciências Biológicas. Niterói.

Durkheim, E. (1982). Las formas elementales de la vida religiosa. Madri: Universidad

Iberoamericana.

Escola, J. (2011). Gabriel Marcel: Comunicação e Educação. Porto: Edições Afrontamento,

Faure, E. (1981). Aprender a Ser. Bertrand: Lisboa.

Fortin, M.-F., Cote, J. & Filion, F. (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação.

Loures: Lusodidacta.

Foucault, M. (2004). A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes.

Frankl, V. (2005). Um sentido para a vida: psicoterapia e humanismo. São Paulo: Ideias & Letras.

Giddens, A. (1990). Consecuencias de la modernidad. Madri: Alianza.

Habermas, J. (2004). Fundamentos morales prepolíticos del estado liberal. Disponível em

http://www.alfonsozambrano.com/nueva_doctrina/29052011/ndpdialogo_Habermas_Ratzinger.pdf

Kant, E. (1983). Traité de pédagogie. Paris: Hachette.

Lobrot, M. (1992). Para que serve a escola?. Lisboa: Terramar.

Marramao, G. (1988). Cielo y tierra: genealogía de la secularización. Barcelona: Paidós.

Morin. E. (2002). Os sete sabers para a educação do futuro. Lisboa: Instituto Piaget.

Pagan, A. (2009). Ser (animal)humano: evolucionismo e criacionismo nas concepções de

alguns graduandos em ciências biológicas. Tese de Doutoramento apresentada à Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

Priberam. (2017). Mundivisão.Consultado em https://priberam.pt/dlpo/mundivis%C3%A3o

Rohr, F. (2013). Educação e espiritualidade: contribuições para uma compreensão

multidimensional da realidade do homem e da educação. Campinas, SP: Mercado de Letras.

Silveira, R., Oliveira, L., Riske-Koch, S. & Cecchetti, E.(2006). Diversidade religiosa e direitos humanos.Disponível em Portal MPEG

Tavares, J. & Huet, I. (2001). Sucesso académico no ensino superior: um olhar sobre o professor

universitário. In R. Sousa, E. Sousa, F. Lemos & C. Januário, Pedagogia na universidade (pp.

-160). Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa.

Tavares, J. (2010). I Congresso Nacional da RESAPES. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Tertulia Conscienciologia (2017). Mundivisão.Consultado em http://www.tertuliaconscienciologia.org/index.php?option=com_docman&task=cat_view&gid=20&dir=ASC&order=name&Itemid=3&limit=20&limitstart=240

Tomlinson, J. (2001), Globalización y cultura. México: Oxford.

UNESCO. (2011). Global Education Digest: Comparing education

statistics across the world. Quebec. Retirado de UNESCO

White, E. (2008). Educação. Casa Publicadora Brasileira.

Wilber, K. (2007). Uma teoria de tudo; uma visão integral para os negócios, a política, a ciência

e a espiritualidade. São Paulo: Cultrix, Amaná-Key.

Zabalza, M. (2004). O ensino universitário: Seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre:

Artmed.

Zepeda, J. (2010). Secularização ou ressacralização? O debate sociológico contemporâneo

sobre a teoria da secularização. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 25(73), 129-

Doi https://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092010000200008




DOI: http://dx.doi.org/10.17346/se.vol22.254

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 License.

e-ISSN 1647-2144 | Periodicidade semestral | ESE de Paula Frassinetti | Apoio 

Indexação: CIRC | DOAJ | ERIH PLUS | Latindex  | MIAR |QOAM | QualisCapes | Genamics JournalSeek |InfoBase Index