A Regulação da educação social como profissão: uma análise aos processos da regulação da identidade e do estatuto socioprofissional do educador social em Portugal e no Brasil
The regulation of social education as a profession:an analysis of the process

Henrique Pereira Ramalho

Resumo


O presente artigo debruça-se sobre os processos de regulação do exercício da educação social como profissão que aventamos como emergente (no caso português) e difusa (no caso brasileiro). No primeiro caso, aferimos a uma lógica instituinte da profissão, em que os processos de autorregulação se mostram mais preponderantes, ainda que recorram a procedimentos peticionários através dos quais, e de forma subsidiária, procuram “encaixar” a profissão de educador social no “mundo” das profissões segmentadas segundo a norma portuguesa. No caso do contexto brasileiro, ilustra-se um processo de regulação que aposta na preponderância legitimadora do Estado, como agência de charneira da regulação da profissão, ainda que os processos de autorregulação sejam subsidiariamente reconhecidos, sem que ponham em causa o papel medial do Estado como principal entidade reguladora.


Palavras-chave


regulação; educação social; educador social; profissão emergente; profissão difusa.

Texto Completo:

PDF

Referências


Abbott, A. (1992). The System of Professions: an essay on the divison of expert labor. Chicago: The University of Chicago Press.

Barbosa, M. (2003). As Profissões no Brasil e sua Sociologia. Dados: Revista das Ciências Sociais, 46(3), 593-607.

Bourdoncle, R. (1991). La Profissionalisation des Ensignants: analyses sociologiques anglaises et americanes 1 - la fascination des professions. Revue Française de Pédagogie, 94, 73-91.

Brasil (2006). Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Disponível em http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/planonacional_direitocriancas.pdf

Brasil (1996). Lei n° 9394/1996. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Cabrera, D. & Domingues, S. (2012). As políticas sociais e a educação brasileira: a formação do pedagogo. Revista Diálogos: Pesquisa em Extensão Universitária, 18(1), 41-49.

Caliman, G. (2009). Pedagogia Social: seu potencial crítico e transformador. Revista de Ciências da Educação, 12(23), 341-368.

Comissão de Trabalho de Administração e Serviço Público (2013). Substitutivo ao projeto de lei nº 5.346-B, de 2009. Disponível em http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=437196

Deliberação n.º 967/2010 do Conselho Superior de Estatística - 14.ª Deliberação da Secção Permanente de Coordenação Estatística. Diário da República: II Série, N.º 106.

Diniz, M. (2001). Os donos do saber: profissões e monopólios profissionais. Rio de Janeiro: Revan.

Dubar, C. (2010). La Socialisation, construction des identités sociales et professionnelles. Paris: Armand Colin.

Dubar, C., Tripier, P.& Boussard, V. (2011). Sociologie des professions. Paris: Armand Colin.

Dubar, C.& Tripier, P. (2003). Sociologie des Professions. Paris: Armand Colin.

Durkheim, E. (1977). A Divisão do Trabalho Social (Vol. 1) Lisboa: Editorial Presença.

Durkheim, E. (1991). A Divisão do Trabalho Social (Vol. 2). Lisboa: Editorial Presença.

Hughes, E. (1993). The sociological eye. New Bruns-wick: Transaction Publishers.

Etzioni, A. (1974). Análise Comparativa de Organizações Complexas. Sobre o Poder, o Engajamento e seus Correlatos. São Paulo: Zahar.

Evetts, J. (2003). The construction of professionalism in new and existing occupational contexts. The International Journal of Sociology and Social Policy, 23(4/5), 22-35Freidson, Eliot (2001). Professionalism. The third logic. Chicago: The University of Chicago Press.

Freidson, E. (1996). Para uma análise comparada das profissões: a institucionalização do discurso e do conhecimento formais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 11(31), 141-155.

Freidson, E. (1986). Professional Powers. Chicago: The University of Chicago Press.

Giddens, A. (1989). A Constituição da Sociedade. São Paulo: Martins Fontes Editora.

Gonçalves, C. (2006). Profissões e mercados: notas de reflexão. Fórum Sociológico, 14(15), 25-45.

Instituto Nacional de Estatística (2011). Classificação Portuguesa das Profissões 2010. Lisboa: INE.

Instituto Nacional de Estatística (2007). Classificação Portuguesa das Actividades Económicas Rev.3. Lisboa: INE.

Larson, M. (2012). The rise of professionalism: monopolies of competence and sheltered markets. NJ: Transaction.

Larson, M. (1979). The Rise of Professionalism. A sociological analysis. London: University of California Press.

Lei n.º 6/2008, de 13 de fevereiro - Regime das Associações Públicas Profissionais. Diário da República: I Série, N.º 31.

Lei n.º 45/2007, de 24 de Agosto - Terceira alteração à Lei n.º 43/90, de 10 de Agosto (exercício do direito de petição). Diário da República: I série, N.º 163.

Lei n.º 49/2005, de 30 de agosto - Segunda alteração à Lei de Bases do Sistema Educativo. Diário da República: I Série-A, N.º 166.

Lei n.º 43/90, de 10 de agosto - Exercício do direito de petição. Diário da República: I Série, N.º 184.

Ministério do Trabalho e Emprego (2010). Classificação Brasileira de Ocupações. Brasília: MTE, SPPE. Disponível em http://wp.ufpel.edu.br/observatoriosocial/files/2014/09/CBO-Livro-1.pdf

Parsons, Talcott (1958). The professions and social structure. Essays in Sociological Theory. International Encyclopedia of the Social Sciences, 12, 34-50 (1ª edição de 1939).

Parsons,T.(1972).Professions.London,International Encyclopedia of the Social Science 12, 536-546.

Projeto de lei nº 5.346-B, de 2009. - Cria a Profissão do Educador Social. Disponível em http://www.camara.gov.br/sileg/integras/962461.pdf

Rodrigues, M. (2012). Profissões: lições e ensaios. Coimbra: Almedina.

Rodrigues, M. (1997). Sociologia das Profissões. Oeiras: Celta Editora.

Schmitz, A. (2014). Max Weber e a Corrente Neoweberiana na Sociologia das Profissões. Em Tese, 11(1), 10-29. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/emtese/article/view/1806-5023.2014v11n1p10/28677

Souza, L. (2014). Formação e Trabalho do Educador Social: estudo dos editais de concurso público na região metropolitana de Curitiba. Dissertação de Mestrado em Educação não publicada, Universidade Federal do Paraná.

Souza Neto, J. (2011). A mediação da práxis na formação do educador social. In A dinâmica da formação do professor e do educador social (pp.53-86). São Paulo: Expressão e Arte Editora.

Strauss, A. (1992). La trame de la négociation, sociologie qualitative et interactionnisme. Paris: L’Harmattan.

Weber, M. (1971). Os fundamentos da organização burocrática: uma construção de tipo ideal. In Sociologia da burocracia (pp. 15-27). Rio de Janeiro: Zahar.

Weber, M. (1981). Ensaios de Sociologia. Guanabara: Rio de Janeiro.

Weber, M. (s.d.). Ciência e Política: duas vocações. São Paulo: Editora Cultrix.

Weber, M. (1993). Economía y Sociedad: esbozo de sociología comprensiva. México: Fondo de Cultura Económica.

Weber, M. (1997). Conceitos Sociológicos Fundamentais. Lisboa: Edições 70.




DOI: http://dx.doi.org/10.17346/se.vol22.258

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 License.

e-ISSN 1647-2144 | Periodicidade semestral |Creative Commons Attribution (BY-NC-SA 4.0) | ESE de Paula Frassinetti | Apoio 

Indexação: DOAJ | ERIH PLUS | Latindex  | MIAR |QOAM | QualisCapes | Genamics JournalSeek |InfoBase Index | REDIB | Google Scholar Metrics (GSMICI Journals Master List database|SJIF Journal Rank|OpenAire |Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura (OEI)