A luta por reconhecimento como processo educativo: Paisagem, Educação Ambiental, Educação Social / The struggle for recognition as an educative process: landscape, environmental education, Social education

Francisco Del Moral Hernandez

Resumo


Resumo

Nos processos institucionalizados para autorizações ambientais e de tomada de decisão, além da necessidade de publicização de questões de interesse da sociedade, aparecem com protagonismo grupos sociais que se posicionam diante de novos projetos. Surge a necessidade do reconhecimento público das entidades, grupos ou movimentos sociais que se posicionam a favor ou contra algum projeto e que tem pouco espaço no processo de tomada de decisão. Aluta por reconhecimento é um processo educativo ampliado promotor de discussões sobre a construção da paisagem, aspectos ligados à educação ambiental como força integrante da educação social. Duas experiências são relatadas – a organização do Movimento dos Atingidos por Barragens e a formação do Painel de Especialistas.


Palavras-chave


Educação Ambiental, Educação Social, Ecologia da Paisagem, Participação democrática

Texto Completo:

PDF

Referências


Ab´Saber, A.(2003). Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial.

Armour, A. (1988). Methodological problems in social impact monitoring. Environ Impact Assess Rev. 8, 249-265.

Bachelard, G. (1974). A poética do espaço. São Paulo: Abril Cultural.

Campos Filho, C. (2003). Reinvente seu bairro: caminhos para você participar do planejamento de sua cidade. São Paulo: Ed 34.

Castro, E. (2008). Uma boa política é aquela que multiplica os possíveis. In R. Sztutman (Org.), Encontrosanização (p. 237). Rio de Janeiro: Beco do Azougue.

Clastres, P. (2003). A sociedade contra o Estado. In A sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política (pp. 207 – 234). São Paulo: Cosac Naify.

Forman, R. & Godron, M. (1986). Landscape ecology. New York: John Wiley.

Foucault, M. (2002). A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola.

Franco, M. (2001). Planejamento Ambiental para a cidade sustentável. São Paulo: Fapesp.

Guimarães, S.(2002). Reflexões a respeito da paisagem vivida, topofilia e topofobia à luz dos estudos sobre experiência, percepção e interpretação ambiental. Geosul, 17(33).

Heras, P. (1997). Pedagogía Ambiental y Educación Social. In A. Petrus(Coord.), Pedagogía Social. Barcelona: Editorial Ariel.

Hernandez, F. (2006). Aqueles que vivem nas margens, às margens da decisão: controvérsias sobre o uso dos rios e das terras ribeirinhas para geração hidrelétrica. Dissertação de Mestrado apresentada à IF da Universidade de São Paulo.

Hernandez, F. (2011). Oferta de eletricidade e combustíveis: versões e subversões no problema energético brasileiro. Tese de Doutoramento apresentada à IF da Universidade de São Paulo.

Hernandez, F. & Magalhães, S. (2011). Ciência, cientistas e democracia desfigurada: o caso Belo Monte. Novos Cadernos NAEA, 14(1), 79-96.

Honneth, A. (2003). Luta por Reconhecimento. A gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed. 34.

Ingold, T. (2000). The Perception of the Environment. New, York, London: Routledge.

Jardim, J. & Carvalho, N. (Dir.). (2002). Janela da Alma [DVD]. Rio de Janeiro: Copacabana Filmes

Krummel, J., Gardner, R., Sugihara, G., O’neill, R. & Coleman, P. (1987). Landscape patterns in a disturbed environment. Oikos, 48, 321–24.

Lang, S. & Blaschke, T. (2009). Análise de Paisagem com SIG. São Paulo: Oficina de Textos.

Lazzarato, M. (2006). As Revoluções do Capitalismo. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira.

LIsboa, M. & Zagallo, J. (2010). Relatoria Nacional do Direito Humano ao Meio Ambiente. Relatório da Missão Xingu - violações de direitos humanos no Licenciamento da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Plataforma DHESCA.

Narvaes, P. (2012). Dicionário Ilustrado do Meio E., (2ªed.). São Caetano do Sul, SP: Yends Editora.

Norton, W. (2006). Cultural Geography: environments, landscapes identities, inequalities. Ontario:Oxford University Press.

Santos, M. (2001). Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Editora Record.

Schama, S. (1996).Paisagem e Memória. São Paulo: Companhia das Letras.

Tress, B. & Tress, G. (2003). Scenario visualisation for participatory landscape planning: a study from Denmark. Landscape and Urban Planning, 64, 161–178.

Tuan, Yi-Fu. (1980). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: DIFEL.

Turner, M. (2005) Landscape Ecology: What Is the State of the Science? Annu. Rev. Ecol. Evol. Syst., 36, 319-44.




DOI: http://dx.doi.org/10.17346/se.vol22.273

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 License.

e-ISSN 1647-2144 | Periodicidade semestral | ESE de Paula Frassinetti | Apoio 

Indexação: CIRC | DOAJ | ERIH PLUS | Latindex  | MIAR |QOAM | QualisCapes | Genamics JournalSeek |InfoBase Index