Estratégias de aprendizagem na inclusão de alunos com deficiência visual no desenvolvimento cognitivo da matemática / Learning strategies in the inclusion of students with visual impairment in the cognitive development of mathematics

Carlos H. Barroqueiro, Márcia E. S. Barroqueiro, Rosa A. Dias

Resumo


Resumo: Os alunos têm grandes dificuldades em aprender a Matemática em todos os níveis. Fica muito claro ao se observar os resultados alcançados no Programme for International Student Assessment (66º Brasil e 29º Portugal em 70 países); avalia estudantes de 15 anos. Os alunos com Deficiência Visual apresentam também impedimentos na resolução e formulação de problemas matemáticos, como os alunos “regulares”, além de existir complexidade por terem as aulas expositivas. O objetivo dessa pesquisa é desenvolver uma nova estratégia de aprendizagem com uso do tato para que os pesquisados possam formular problemas e resolvê-los de forma criativa. Os alunos desta pesquisa encontram-se no 2º e 4º anos, incluindo estudantes com baixa visão. Os resultados iniciais foram satisfatórios e animadores, a ponto de se justificar o aprofundamento desta investigação.

Abstract: The students have great difficulty in learning mathematics at all levels. It is very clear when observing the results achieved in the Program for International Student Assessment (66º Brazil and 29º Portugal in 70 countries); evaluates 15-year-old students. The students with Visual Impairment also have difficulties in solving and formulating mathematical problems, such as "regular" students, in addition to being complex because they have visual classrooms. The aim of this research is to develop a new learning strategy with the use of touch has developed so that students can formulate problems and solve them in a creative way. The students of this research are

in the 2nd and 4th years, including students with low vision. The initial results were satisfactory and encouraging, to the extent of justifying the further investigation.

Keywords: Learning strategy. Student Visual Impairment. Mathematical Problem Posing and Solving. Mathematical Creativity. Mathematical Challenge.


Palavras-chave


Estratégia de Aprendizagem; Aluno Deficiência Visual; Resolução e Formulação de Problemas Matemáticos; Criatividade Matemática; Desafio Matemático

Texto Completo:

PDF

Referências


Antunes, C. (1990). Manual de técnicas de dinâmica de grupo de sensibilização de ludoterapia. Rio de Janeiro: Editora Vozes.

Ausubel, D. P. (1982). A aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Livro escrito por Moreira, M. A. Brasília: Editora da UnB.

Barbeau, E. J. & Taylor, P. J. (Eds.). (2009). Challenging Mathematics In and Beyond the Classroom. New York: Springer.

Barroqueiro, Carlos H. (2012). Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação na formação de professores de Física e Matemática do Instituto Federal de São Paulo. Tese de Doutorado apresentada no programa de Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Cruzeiro do Sul (CAPES 6). São Paulo: Universidade Cruzeiro do Sul.

Da Ponte, J. P. (Org.). (2014) Práticas Profissionais dos Professores de Matemática. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Ervynck, G. (2002). Mathematical Creativity In Advanced Mathematical Thinking (pp. 42 – 53). New York: Springer,.

Ferreira, S. F. (2016). Os dois mundos da inclusão do deficiente visual. In Anais do IV Seminário Internacional de Integração Étnico-Racial e as Metas do Milênio. Disponível em https://ojs.eniac.com.br/index.php/Anais_Sem_Int_Etn_Racial/article/view/366

Feynman, Richard P. (2017). Física em 12 lições: Fáceis e Não tão Fáceis (2ª ed.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Freire, P. (2015). Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Giroto, Claudia R. M., Poker, Rosimar B. e Omote, Sadao (Org.). (2012). As Tecnologias nas práticas pedagógicas inclusivas. Marília: Editora Cultura Acadêmica.

Habgood, M. P. Jacob & Ainsworth, Shaaron E. (2011). Motivating Children to Learn Effectively: Exploring the Values of Intrinsic Integration in Educational Games. Journal of the Learning Sciences, 20.

Kemmis, S. & Mctaggart, R. (1988). Como planificar la investigación-acción. Barcelona: Editorial Alertes.

Kim, K. H.(2006). Can we Trust Creativity Tests? A review of the Torrance Tests of Creativity Thinking (TTCT). Creativity Research Journal, 18 (1).

Kishimoto, T.M., (1998). O Brincar e suas Teorias. São Paulo: Editora Poineira.

Martin, M. B. & Bueno, S.T. (Coords.). (2003). Deficiência visual: Aspectos psicoevolutivos e educativos. São Paulo: Livraria e Editora Santos.

Mendonça, A., Miguel, C., Neves, G., Micaela, M. & Reino, V. (2008). Alunos cegos e com baixa visão. Orientações curriculares. Lisboa: DIGIDC.

Morin, E. (2001). Os sete saberes necessários à educação do futuro. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/EdgarMorin.pdf.

National Council of Teachers of Mathematics (2000). Standards and Principles for School Mathematics. Disponível em http://www.nctm.org/standards/.

Nunes, C. (2001). Aprendizagem ativa na criança com multideficiência. Lisboa: Ministério da Educação.

Ormelezi, E. M. (2006). Inclusão educacional e escolar da criança cega congênita com problemas na constituição subjetiva no desenvolvimento global: uma leitura psicanalítica em estudos de caso. São Paulo: USP.

Polya, G. (1957). How to solve it (2ª ed.). Princeton: Princeton University Press.

Rodrigues, D. (2017). As tecnologias de informação e comunicação em tempo de educação inclusiva. Palestra na AFIRSE. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Rodrigues, D. (Org.). (2006). Inclusão e educação: doze olhares sobre a Educação Inclusiva. São Paulo: Sumus editorial.

Singer, F. M. Ellerton, N. F. & Cai, J. (2015). Mathematical Problem Posing :From research to effective practice. New York: Springer.

Taleb, A.; Faria, M. A. R., Ávila, M. & Mello, P. A. A. (2012) As condições de saúde ocular no Brasil – 2012. Revista Conselho Brasileiro de Oftalmologia. 1ª ed., São Paulo: Editora Internacional Standard Book.

Tarouco, Liane M. R. (Org.). (2014). Objetos de Aprendizagem: teoria e prática. Porto Alegre: Evangraf.

Vale, I., Barbosa, A. & Pimentel, T. (2014). Teaching and learning mathematics for creativity through challenging tasks. In Proceedings of the Problem @Web International Conference: Technology, creativity and affect in mathematical problem solving (p.335). Faro, Portugal: Universidade do Algarve.

Vygotsky, L. S. (1988) Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. http://www.luzimarteixeira.com.br/wp-content/uploads/2011/03/aprendizagemedesenvolvimentointelectualnaidadeescolar.pdf

Watson, A. & Ohtani, M. (Eds.). (2015). Task design in Mathematics Education. New York: Springer.




DOI: http://dx.doi.org/10.17346/se.vol23.295

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 License.

e-ISSN 1647-2144 | Periodicidade semestral |Creative Commons Attribution (BY-NC-SA 4.0) | ESE de Paula Frassinetti | Apoio 

Indexação: DOAJ | ERIH PLUS | Latindex  | MIAR |QOAM | QualisCapes | Genamics JournalSeek |InfoBase Index | REDIB | Google Scholar Metrics (GSMICI Journals Master List database|SJIF Journal Rank|OpenAire |Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura (OEI)