Ambientes Educativos Inovadores: a realidade de escolas portuguesas
Innovative Educational Environments: Portuguese schools' reality

Angélica Monteiro, Alcina Figueiroa, José Couto, Orquídea Campos

Resumo


Com a criação de Ambientes Educativos Inovadores (AEI) procura-se incentivar uma mudança no paradigma de ensinar e aprender, visando uma adequação ao perfil e às competências do estudante do século XXI. No sentido de promover uma aproximação aos AEI implementados em Portugal, em termos de caraterísticas, metodologias, competências desenvolvidas e efeitos observados, foi elaborado um estudo exploratório, de cariz descritivo e interpretativo junto de responsáveis por estes espaços. Os dados, obtidos através de um questionário com questões abertas e tratados através de análise estatística simples e análise de conteúdo, evidenciam que apesar da diversidade a nível das caraterísticas dos espaços e de metodologias, existe uma confluência para o perfil do aluno à saída da escolaridade obrigatória.

The development of Future Classroom Labs aims to encourage a change in the paradigm of teaching and learning to adapt to the 21st century student’s profile. In order to promote an approach to the AEIs implemented in Portugal, in terms of characteristics, methodologies, developed competencies and effects, a descriptive, interpretative and exploratory study was elaborated, with those responsible for these spaces. The data, obtained through a questionnaire with open questions and treated through simple statistical analysis and content analysis, show that despite the diversity in the characteristics of the spaces and methodologies, there is a confluence for the student's profile of after finishing compulsory education.

 

Keywords: ICT; Future Classroom Labs; XXI century competences; Teaching-learning; Digital Educational Resources


Palavras-chave


TIC; Ambientes Educativos Inovadores; Competências do séc. XXI; Ensino-aprendizagem; Recursos educativos digitais

Texto Completo:

PDF

Referências


Barros, R., Monteiro, A. & Figueiroa, A. (2018) (Org.). Ambientes educativos inovadores e compet|encias par ao séclo XXI: reflexões finais. In Ambientes educativos inovadores e competências dos estudantes para o século XXI (pp, 59-61). Santo Tirso: WhiteBooks.

Bannister, D. (2014). Trainer’s guide collaborative schools development course. Consultado em 1 de fevereiro de 2018, disponível em http://fcl.eun.org/documents/10180/19008/LSL_Trainers_manual_A4_FINAL-web.pdf/a9932c15-a7e2-4a25-b530-da8fcd755b3e.

Bento, M. (2018). Equipamentos e recursos educativos digitais para aprender no século XXI. In Ambientes educativos inovadores e competências dos estudantes para o século XXI (pp. 25-40). Santo Tirso: WhiteBooks.

Bergman, J., & Sams, A. (2014). Flipped Learning: Gateway to Student Engagement. Washington, DC: ISTE - International Society for Technology in Education.

Buck Institute for Education (2009). Aprendizagem baseada em projetos: Guia para professores de ensino fundamental e médio. Porto Alegre: Editora Penso.

[autores]

Costa, J. (2017). O que se pretende de um aluno depois de 12 anos na escola? Consultado em 20 de março de 2018, disponível em https://www.educare.pt/noticias/noticia/ver/?id=119823.

Couto, J. & Lamas, E. (2012). O Ambiente Digital e a Aprendizagem da Língua Materna. In eBook - Conferência Online de Informática Educacional (COIED 2012). Consultado no dia 20 de março de 2018, disponível em http://www.coied.com.

Couvaneiro, C. (2004). Práticas cooperativas – Personalização e socialização. Lisboa: Instituto Piaget.

Despacho 5908 de 05-07-2017. Consultado em 12 de março de 2018, disponível em https://dre.pt/web/guest/home//dre/107636120/details/2/maximized?serie=II&parte_filter=31&dreId=107636088,.

[autores]

Jaffe, L. (2007) Games amplify motivation in education. In Innovative teaching strategies in nursing and related health professions. Sudbury, Mass: Jones and Bartlett Publishers.

Lévy, P. (1994). As tecnologias da inteligência – O futuro do pensamento na era informática. Lisboa: Instituto Piaget.

Martins, G. et al. (2017). Perfil dos Alunos à saída da escolaridade obrigatória. Lisboa: Ministério da Educação e Ciências, Direção Geral da Educação.

[autores]

Pedro, N. (2017). Ambientes educativos inovadores: o estudo do fator espaço nas ‘salas de aula do futuro’ portuguesas. In Revista Tempos e Espaços em Educação, 23, 99-108.

Puentedura, R. (2006). Transformation, technology, and education. Consultado em 20 de março de 2018, disponível em http://hippasus.com/resources/tte/.

Sharples, M., Taylor, J., & Vavoula, G. (2005) Towards a Theory of Mobile Learning. In Mobile Technology: The Future of Learning in Your Hands, Proceedings of mLearn 2005. Consultado em 2 de março de 2018, disponível em http://www.compassproject.net/sadhana/teaching/readings/sharplesmobile.pdf.




DOI: http://dx.doi.org/10.17346/se.vol25.309

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 License.

e-ISSN 1647-2144 | Periodicidade semestral |Creative Commons Attribution (BY-NC-SA 4.0) | ESE de Paula Frassinetti | Apoio 

Indexação: DOAJ | ERIH PLUS | Latindex  | MIAR |QOAM | QualisCapes | Genamics JournalSeek |InfoBase Index | REDIB | Google Scholar Metrics (GSMICI Journals Master List database|SJIF Journal Rank|OpenAire |Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura (OEI)