A Formação inicial de professores no âmbito do Processo de Bolonha: o caso da formação de professores de educação visual e tecnológica

Ana Souto Melo, Maria Branco

Resumo


Um dos mais importantes objetivos do Processo de Bolonha (PB) é a garantia da qualidade da formação dos cidadãos. Será certo que este compromisso de qualidade só se evidenciará como uma realidade caso se garanta uma formação de professores que atenda de forma adequada a esta exigência. A reconfiguração da formação inicial de professores no âmbito das reformas implementadas pelo PB em Portugal culmina com a publicação do Decreto-Lei nº43/2007, que anuncia relevantes transformações relativamente aos modelos que o antecedem. No presente artigo, apresentamos uma reflexão sobre marcos contextuais e legislativos da história da formação de professores em Portugal, fazendo uma apreciação das alterações acarretadas pelo PB, incidindo em particular no caso da formação de professores de EVT.

Palavras-chave


Formação inicial de professores; Componentes de formação; Formação de professores de EVT; Processo de Bolonha

Texto Completo:

PDF

Referências


Buchman, Margret (1984). The priority of knowledge and understanding in teaching. Advances in teacher education, 1, 29-50.

Campos, Bártolo Paiva. (1995). Formação de professores em Portugal. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Cardoso, Carlos. (2005). Que lugar para o 1º ciclo de formação – bacharelato – nos futuros cursos de professores e educadores? In O processo de Bolonha e a formação dos educadores e professores portugueses (pp. 146-147). Porto: Profedições.

Carvalho, Adalberto Dias de. (2005). A formação de professores e os desafios da Declaração de Bolonha. In O Processo de Bolonha e a formação dos educadores e professores portugueses (pp. 23-33). Porto: Profedições.

Charlier, Évelyne. (2001). Formar professores profissionais para uma formação contínua articulada à prática. In Formando professores profissionais. Quais estratégias? Quais competências? (2ª ed., pp. 85-102). Porto Alegre: Artmed (Trabalho original intitulado Enseignants diplômés professionnels. Quelles stratégies? Qelles sont les compétences?, publicado em 1998).

Cruz, Isabel, et al. (2003). A Declaração de Bolonha e a Formação Inicial de Professores nas Universidades Portuguesas. Consultado em 2012/02/05, disponível em http://paco.ua.pt/common/bin/Bolonha/Bolonha_Forma%C3%A7%C3%A3o_Professores_Documento%20Grupo%20Ad-hoc%20do%20CRU.pdf

Declaração de Bolonha: Convenção dos Ministros Europeus de Educação reunidos em Bolonha a 19 de junho de 1999.

Decreto-Lei nº344/89, de 11 de outubro (Peso atribuído às Componentes de Formação).

Decreto-Lei nº290/98, de 17 de setembro (Criação do INAFOP).

Decreto-Lei nº194/99, de 7 de junho (Competências do INAFOP).

Decreto-Lei nº43/2007, de 22 de fevereiro (Regulamentação dos Cursos de Formação de Professores adequadas ao Processo de Bolonha).

Deliberação nº1488/2000, de 12 de dezembro (Padrões de Qualidade para a Formação Inicial de Professores).

Estrela, Maria Teresa, Esteves, Manuela, Rodrigues, Ângela. (2002). Síntese da investigação sobre a formação inicial de professores em Portugal (1990/2000). Porto: Porto Editora.

Gabinete de Estudos e Planeamento. (1986). Licenciaturas do ramo de formação educacional e licenciaturas em ensino: um estudo de avaliação. Lisboa: Gabinete de Estudos e Planeamento/Ministério da Educação.

García, Marcelo. (1999). Formação de professores para uma mudança educa¬tiva. Porto: Porto Editora.

Grossman, Pam. (1990). The making of a teacher. Teacher knowledge and teacher education. Chicago: Teacher College Press.

Le Boterf, Guy. (1997). De la compétence à la navigation professionnelle. Paris: Éditions d’Organisation.

Lei nº46/86, de 14 de outubro (Lei de Bases do Sistema Educativo).

Lima, Licínio, et al. (1995). O modelo integrado 20 anos depois: contributos para uma avaliação do projecto das licenciaturas em ensino na universidade do Minho. Revista Portuguesa de Educação, 8 (2),147-195.

Ministério da Educação. (2001). Transição da formação inicial para a vida activa: Exame temático no âmbito da OCDE. Relatório Nacional. Lisboa: Ministério da Educação.

Ministério da Educação e Ciência. (2012). Revisão da Estrutura Curricular. Consultado em 2012/03/26, disponível em http://www.portugal.gov.pt/media/550035/20120326__revisao_estrutura_curricular.pdf

Paquay, Léopold, et al. (2001). Formando professores profissionais: três conjuntos de questões. In Formando professores profissionais. Quais estratégias? Quais competências? (2ª ed., pp. 11-12). Porto Alegre: Artmed.

Parecer nº2/2012 do Conselho Nacional de Educação (Parecer sobre a Proposta de Revisão da Estrutura Curricular para o Ensino Básico e Secundário).

Pereira, Fátima, Carolino, Ana, Lopes, Amélia (2007). A formação inicial de professores do 1º CEB nas últimas três décadas do séc. XX: Transformações curriculares, conceptualização educativa e profissionalização docente. Revista Portuguesa de Educação, 20 (1), 191-219.

Ponte, João Pedro. (1999). Didácticas específicas e construção do conhecimento profissional. In Investigar e formar em educação- Actas do IV Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação (vol.1, pp. 59-72). Aveiro: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação.

Ponte, João Pedro. (2005). O processo de Bolonha e a formação inicial de professores em Portugal. In O processo de Bolonha e a formação dos educadores e professores portugueses (pp. 63-73). Porto: Profedições.

Ponte, João Pedro da, Sebastião, Luís, Miguéns, Manuel (2004). A formação de professores e o processo de Bolonha. Parecer. Consultado em 2010/01/31, disponível em http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte/docs-pt/Parecer_formacao_professores(29Nov).pdf

Reynolds, William (Ed.) (1989). Knowledge base for the beginning teacher. Nova Iorque: Pergamon Press.

Ribeiro, António Carrilho (1997). Formar professores. Elementos para uma teoria e prática da formação (5ª ed.). Lisboa: Texto Editora.

Roldão, Maria do Céu (2002). Formar profissionais: a centralidade do saber e do agir profissionais versus a discussão sobre modelos. Revista de Educação, 11, 157-158.

Rozada Martinez, José María (1996). Los tres pilares de la formación: estudiar, reflexionar y actuar. Notas sobre la situación en España. Investigación en la Escuela, 29, 7-21.

Schön, Donald (1983). The reflective practitioner: How professionals think in action. Nova Iorque: Basic Books.

Sousa, Ana Tudela Lima. (2007, outubro). A formação dos professores de artes visuais em Portugal: um princípio ou o eterno retorno? Para um novo rumo. Comunicação apresentada na Conferência Nacional da Educação Artística, Porto, Casa da Música. Consultado em 2011/11/30, disponível em http://pt.scribd.com/doc/53460126/Ana-Tudela-Lima-Sousa

Valente, Lucília (1999 a). Princípios orientadores do movimento português de intervenção artística e educação pela arte e seu contributo na investigação e formação de professores de expressão artística. In Investigar e formar em Educação- Actas do IV Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação (vol.1, pp. 75-80). Aveiro: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação.

Valente, Lucília (1999 b). Formação e transformação - perspectivas de uma educação para o ser através das expressões artísticas. In Investigar e formar em educação- Actas do IV Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação (vol.1, p. 477-491). Aveiro: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação.




DOI: http://dx.doi.org/10.17346/se.vol18.46

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 License.

e-ISSN 1647-2144 | Periodicidade semestral |Creative Commons Attribution (BY-NC-SA 4.0) | ESE de Paula Frassinetti | Apoio 

Indexação: DOAJ | ERIH PLUS | Latindex  | MIAR |QOAM | QualisCapes | Genamics JournalSeek |InfoBase Index | REDIB | Google Scholar Metrics (GSMICI Journals Master List database|SJIF Journal Rank|OpenAire |Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura (OEI)