Educação e Trabalho Social: reivindicações, limitações e indefinições

Ana Maria Vieira

Resumo


Mais que uma questão de natureza didática, a educação escolar é, cada vez mais, uma questão social. Nesse sentido, só uma pedagogia social, mais abrangente que a escolar, poderá dar conta dos fenómenos sociopedagógicos da escola contemporânea. A crescente diversidade cultural na escola pública portuguesa levou à emergência de várias políticas e respostas da escola para construir uma "escola para todos". A pedagogia social, através da mediação sociocultural feita com profissionais sociais na escola tem sido uma das práticas que temos observado em escolas com acentuada multiculturalidade. Neste texto, pretendemos perceber como lidam essas escolas, em TEIP ou com GAAF, com as crescentes tensões sociais manifestadas, por exemplo, em indisciplina, articulando professores com Profissionais Superiores de Trabalho Social (PSTS).

 


Palavras-chave


Pedagogia Social; Mediação Sociopedagógica; Trabalho Social na Escola; Profissionais Superiores de Trabalho Social (PSTS)

Texto Completo:

PDF

Referências


Almeida, Vítor. (2010).O mediador sociocultural em contexto escolar – contributos para a compreensão da sua função social. Mangualde: Edições Pedago.

Amado, João. (2013). Manual de investigação qualitativa em educação. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Baptista, Isabel. (2012). Pedagogia social: um campo plural de investigação e intervenção. Cadernos de Pedagogia Social, pp. 5-6.

Baptista, Isabel. (2008). Pedagogia social: uma ciência, um saber profissional, uma filosofia de ação. Cadernos de Pedagogia Social, pp. 7-30.

Barbieri, Helena. (2003). Os TEIP, o projecto educativo e a emergência de ‘perfis de território’. Educação, Sociedade & Culturas, 20, 43-75.

Bell, Judith. (1997). Como realizar um projecto de investigação. Lisboa: Gradiva.

Boavida, João, Amado, João. (2006). Ciências da educação: epistemologia, identidade e perspectivas. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Bogdan, Robert e Biklen, Sari. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Bonafé-Schimtt, J. P. (2000). La mediation scolaire par les élèves. Paris: editions ESF.

Bourdieu, Pierre. (2005). Esboço para uma auto-análise. Lisboa: Edições 70.

Canário, Rui, Alves, Natália, Rolo, Clara. (2001). Escola e exclusão social. Lisboa: Educa.

Capul, Maurice, Lemay, Michel. (2003). Da educação à intervenção social, Vol. I e II. Porto: Porto Editora.

Caria, Telmo (Org.). (2003). Experiência etnográfica em ciências sociais. Porto: Ed. Afrontamento.

Caride, José António. (2005). Las fronteras de la pedagogia social. Perspectivas científica e histórica. Barcelona: Editorial Gedisa.

Carmo, Hermano, Ferreira, Manuela Malheiro. (1998). Metodologia da investigação. Lisboa: Universidade Aberta.

Carvalho, Adalberto Dias, Baptista, Isabel. (2004). Educação social. Fundamentos e estratégias. Porto: Porto Editora.

Chaveau, Gérard. (1989). L´échec scolaire au quotidien . In Chaveau, Gérard, Duro-Courdesses, Lucile (Orgs.), École et quartiers (pp. 39-55). Paris: Editions L´Harmattan.

Correia, José Alberto, Caramelo, João. (1994). Da mediação local ao local da mediação. Educação, Sociedade & Culturas, 20, 167-191.

Cosme, Ariana, Trindade Rui. (2007). A Escola a tempo inteiro: escola para que te quero? Porto: Profedições.

Demazière, Didier. (2010). A mediação social, um trabalho de terreno. In Correia, José Alberto, Silva, Ana Maria Costa, Mediação: (d)os contextos e (d)os actores (pp. 103-118). Porto: Edições Afrontamento/CIIE.

GAMBOA, Sílvio Sánchez. (2007). Quantidade-Qualidade. Para além de um dualismo técnico e de uma dicotomia epistemológica. In Filho, José, Gamboa, Sílvio, Pesquisa educacional: quantidade-qualidade (pp. 84-108). São Paulo: Cortez Editora.

Guerra, Isabel. (2006). Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo. Estoril: Principia.

Henriot-van Zanten, Agnès. (1990). L’école et l’espace local. Les enjeux des zones d’education prioritaires. Lyon: Presses Universitaires de Lyon.

Silva, Pedro, et al. (2010). Mediação sociopedagógica na escola: conceitos e contextos. In Peres, Américo Nunes, Vieira, Ricardo (Orgs.), Educação, justiça e solidariedade na construção da Paz (pp. 75-99). Chaves e Leiria: APAP e CIID-IPL.

Spradley, James. (1979). The ethnographic interview. N.N.Y.: Prentice Hall.

Vieira, Ana. (2011). Educação e mediação sociocultural: a emergência de novos papéis sociais na escola.Tese de doutoramento, Vila Real: UTAD.

Vieira, Ana. (2013). Educação social e mediação sociocultural. Porto: Profedições.

Vieira, Ana, Vieira Ricardo. (2011). Territórios educativos e mecanismos de lidar com a diferença na escola. In Actas do II Encontro de Sociologia da FLUP – Educação, Territórios e Desigualdades (pp. 317-335). Porto: FLUP.

Vieira, Ricardo. (2003). Vidas revividas: etnografia, biografias e a descoberta de novos sentidos. In Caria, Telmo (Org.), Metodologias etnográficas em ciências sociais. Porto: Afrontamento, pp. 77-96.

Woods, Peter. (1990). L´Ethnographie de l’école. Paris: Armand Colin.




DOI: http://dx.doi.org/10.17346/se.vol19.61

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 License.

e-ISSN 1647-2144 | Periodicidade semestral |Creative Commons Attribution (BY-NC-SA 4.0) | ESE de Paula Frassinetti | Apoio 

Indexação: DOAJ | ERIH PLUS | Latindex  | MIAR |QOAM | QualisCapes | Genamics JournalSeek |InfoBase Index | REDIB | Google Scholar Metrics (GSMICI Journals Master List database|SJIF Journal Rank|OpenAire |Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura (OEI)