Os registos de escrita precoce de crianças de 5-6 anos

evidência da evolução das conceções precoces sobre a linguagem escrita

Autores

  • Maria Cristina Vieira da Silva ESE Paula Frassinetti
  • Joana Daniela Leão Moreira ESEPF, Departamento de Formação de Professores, Porto, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.25767/se.v32i2.32815

Palavras-chave:

Educação Pré-escolar; Literacia emergente; Registos pedagógicos

Resumo

O artigo tem por objetivo apresentar a forma como os registos pedagógicos (Ostetto, 2017) obtidos em torno das práticas de literacia emergente desenvolvidas em contexto de prática de ensino supervisionada, junto de crianças 5-6 anos, permitiram recolher evidências sobre as diferentes fases em que as crianças se encontravam, em termos de conceções precoces sobre a linguagem escrita. Partindo de uma amostra constituída por oito crianças de uma sala de cinco e seis anos, foi selecionado um guião de entrevista para avaliação das conceções precoces sobre a linguagem escrita, que esteve na origem de registos das produções escritas das crianças, bem como do levantamento acerca das funcionalidades que estas atribuíam à leitura e à linguagem escrita. A análise dos dados recolhidos permitiu evidenciar que os registos das produções escritas foram determinantes na categorização das conceções infantis sobre a linguagem escrita, constituindo uma oportunidade para a educadora estagiária se apropriar de alguns aspetos da literacia emergente, dimensão particularmente relevante em termos da formação profissional docente na Educação Pré-escolar (Gimeno, 1988).

Referências

Albuquerque, A. & Martins, M. A. (2018). Escrita inventada no jardim-de-infância: Contributos para a aprendizagem da leitura e escrita. Análise Psicológica, 3 (XXXVI), 341-354. doi: 10.14417/ap.1308

Ceron, L. & Junqueira, F. (2007). Registro e documentação pedagógica na educação infantil. In S. Albuquerque, J. Felipe, & L. V. Corso, L (Org.), Para pensar a educação infantil em tempos de retrocessos: lutamos pela educação infantil (pp. 188-202). Evangrafm.

Downing, J. (1987). A influência da Escola na Aprendizagem da Leitura. In E. Ferreiro, & M. Palácio (Eds.), Os processos de Leitura e Escrita. Artes Médicas, 182-194.

Edwards, C., Gandini, L. & Forman, G. (1999). As Cem Linguagens da Criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Artmed.

Fernandes, C. (2018). A descoberta da escrita no Pré-Escolar: O papel do educador como impulsionador da aprendizagem. Tese de mestrado, ISPA. https://repositorio.ispa.pt/bitstream/10400.12/6710/1/25007.pdf

Ferreiro, E. & Palácio, M. (1988). Lire-Ecrire à l’ école: Comment s’y apprennent-ils? Analyse des perturbations dans les processus d’ apprentissage de la lecture et de l’ écriture. CRDP.

Ferreiro, E. & Teberosky, A. (1980). Los sistemas de escritura en el desarrollo del niño. Siglo Vintiuno Editores.

Ferreiro, E. & Teberosky, A. (1986). Psicogênese da Língua Escrita. Artes Médicas.

Fijalkow, E. (1989). Le langage technique de la lecture-écriture. In Actes du Colloque International Premier Contact avec l´Écriture et la Lecture (pp. 21-31). Helidoni.

Fijalkow, E. (1993). Clarté Cognitive en Grande Section de Maternelle et Lecture au Cours Préparatoire. In G. Chaveau, M. Rémond, & E. Rogovas-Chauveau (Eds.), L’ Enfant Apprenti Lecteur: L’ Entrée dans le Système Écrit. Collection CRESAS (10), INRP-L’Harmattan, 83-104.

Gimeno, J. (1998). El Currículum: una refléxion sobre la práctica. Morata.

Goodman, Y. (1984). The development of initial literacy. In H. Goelman, A. Olberg, & F. Smith (Eds.), Awakening to Literacy. Heinemann Educational, 316-324.

Horta, M. H. (2015). A abordagem à linguagem escrita na etapa final da educação pré-escolar: estudo de casos múltiplos na região do sotavento algarvio. Universidad de Huelva.

Justice, L. & Kaderavek, J. (2002). Using shared storybook reading to promote emergent literacy. Teaching Exceptional Children, 34(4), 8-13.

Martins, M.A. (1996). Pré-História da Aprendizagem da Leitura. ISPA.

Martins, M.A. & Niza, I. (1998). Psicologia da Aprendizagem da Linguagem Escrita. Universidade Aberta.

Mata, L. (2008). A descoberta da escrita: Texto de apoio para educadores de infância, Ministério da Educação, Direção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular.

Sá-Chaves, I. (2004). Portfolios Reflexivos: estratégias de formação e de supervisão. Universidade de Aveiro.

Silva, I. L. (Coord.) et al. (2016). Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar, Ministério da Educação, Direção-Geral da Educação.

Teale, W. & Sulzby, E. (1989). Emergent Literacy: New Perspectives. In D. S. Strickland, D. S. & L. M. Morrow, (Eds.), Emerging Literacy: Young Children Learn To Read and Write. International Reading Association,13-27.

Viana, F. L. (2001). Melhor falar para melhor ler – Um programa de desenvolvimento de competências linguísticas (4-6 anos). Centro de Estudos da Criança - Universidade do Minho.

Vigotsky, L. S. (1977). Aprendizagem e Desenvolvimento Intelectual na Idade Escolar. In L. Luria, L. S. Vygotsky, L. S. (et al.), Psicologia e Pedagogia I: Bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. Ed. Estampa.

Zabalza, M. (1994). Diários de Aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Artmed.

Downloads

Publicado

2023-12-06 — Atualizado em 2024-02-27

Versões

Como Citar

Vieira da Silva, M. C., & Moreira, J. D. L. . (2024). Os registos de escrita precoce de crianças de 5-6 anos: evidência da evolução das conceções precoces sobre a linguagem escrita . Saber E Educar, 32. https://doi.org/10.25767/se.v32i2.32815 (Original work published 6 de Dezembro de 2023)

Edição

Secção

Artigos